AMIGA DE TODAS AS HORAS

    Neste fim de semana, após fazer minha caminhada matinal cheguei em casa e me pus a pensar. E sem perceber comecei a falar sozinho:

– Há muito tempo estamos juntos e pouco tenho feito por ela!

Ao falar isso, como se fosse magnetismo, aproximei-me dela e comecei a acariciá-la e disse bem baixinho:

– Você que tem me acompanhado por todos esses anos, nunca me decepcionou só me dando alegrias. Hoje, resolvi retribuir por tudo que tem feito por mim. Sei que já não faço isso há um bom tempo, mas pode ter certeza que tentarei ser carinhoso. Tentarei fazer com todo carinho e cuidado para não te deixar nenhuma marca!

Ao falar isso afastei dela e fui até o meu lugar secreto para pegar tudo que precisava, pois tenho certeza que para ela será inesquecível. Ao pegar todo material necessário, passei pela sala onde estava minha filha assistindo televisão. Quando passei por ela, logo percebi que estava diferente e ela sabia que algo estava por acontecer. Quando a olhei vi o grande sorriso em seu rosto e um semblante de alguém que está pensando algo que não deve. Logo perguntei:

– Por que está sorrindo?

– Nada não!

Passei por ela e fui realizar o que estava destinado a fazer. Ao chegar ao local pré-estabelecido, tomei as devidas providências para que nada saísse errado, pois ela merece todo meu carinho e minha atenção. Ao estar sozinho com ela, a virei e a coloquei na horizontal de costa no chão para realizar aquilo que há tanto tempo ela esperava. A primeira coisa feita foi liberar o seu assento que na hora ficou com os freios arriados. Ao fazer isso o fiz na intenção de não prejudicá-la e para que pudesse fazer de forma que não prejudicasse a sua integridade. Para realizar o desejado de forma adequada tirei minha camisa, afrouxei a calça, pois já estava me sentindo a vontade. O meu corpo estava esquentando, o suor estava descendo pelo rosto e pelas costas.

Diante de tudo isso ela continuava imóvel, aceitando tudo passivamente como alguém que está gostando da situação que há muito não vivia. Lubrifiquei aonde precisava com um liquido oleoso, passei por toda sua extremidade o melhor produto que tinha em mãos. Comecei esfregar de forma carinhosa, para que minhas mãos pesadas não provocasse nenhuma ranhura no seu corpo já cansado da longa jornada. Quanto mais realizava essa atividade, mais satisfeito eu ficava e ela mais bonita ficava, pois tenho por ela tanto amor gratidão.

Todas as vezes que dela precisei nunca me disse não e nunca me deixou na mão. Por isso neste dia resolvi um banho te dar e te deixar cheirosa. Você é a minha magrela de todos os dias. Minha bicicleta de todos os dias e amiga de todas as horas.

Por: Samuel Silva

Anúncios

MOMENTO IMPAR

Estamos vivendo um momento de grande importância em nossa vida de cidadãos. É com certeza um momento impar, pois temos a oportunidade de escolher aqueles que estarão nos representando na Câmara de Vereadores. Serão nossas vozes, junto ao executivo, pois estará em suas mãos a aprovação de projetos enviados pelo executivo e os de iniciativa dos próprios vereadores. Ao mesmo tempo estarão fiscalizando as ações do executivo para que não cometam atos ilícitos, que possam vir a prejudicar o Município e toda sua população. Mas para isso, aqueles que forem eleitos, precisarão estar comprometidos com os interesses da maioria da população.
Nós cidadãos deveríamos conhecer e entender qual é o verdadeiro papel dos Vereadores, desta forma não nos sentiríamos traídos e enganados após as eleições. Ao dizer isso, o faço com bastante tristeza, pois o que acompanhamos em nosso dia-a-dia é exatamente o oposto. Digo isso, por presenciar várias situações que chega a causar, tristeza e indignação. Parte do eleitorado ainda vive na realidade do toma lá da cá. Para muitos eleitores o melhor candidato é aquele que atende aos seus interesses pessoais. Muitos candidatos se aproveitam desta situação e conseguem ser eleitos e reeleitos por várias vezes.
Infelizmente em nosso país, as eleições se comparam a grandes produções cinematográficas, pois são compostas por estruturas parecidas. Para se produzir um bom filme se faz necessário um bom roteiro, bons atores, boa direção, boa produção, bons equipamentos, um bom cenário, uma boa divulgação, dubles, figurantes e principalmente um suporte financeiro.
Uma eleição não é diferente, pois qualquer candidato que pretende ser eleito por várias vezes precisará de uma infraestrutura parecida. Para ganhar uma eleição o candidato necessitará de um bom programa político que se assemelha a um roteiro do filme. Terá que ser um bom ator na hora de se apresentar diante do eleitor, ter um bom coordenador de campanha para saber organizar todo período que antecede a eleição, ter uma boa equipe de publicitários para melhor divulgar o seu programa político, ter um grupo de pessoas para fazerem a divulgação e entregar os santinhos; mas que na verdade são apenas os figurantes. O elemento que não pode faltar em uma campanha é o financiador que, como qualquer investidor, espera obter lucro.
Diante dessa realidade, nós eleitores precisamos estar atentos a tudo que está acontecendo a nossa volta, pois estamos diante de um momento crucial em nossa cidade e precisamos estar atentos em quem escolheremos para comandar a nossa cidade. Faz-se necessário que cada um esteja atento e não se deixe levar por promessas e compromissos assumidos nesse período. Mesmo sabendo que cada candidato tem de apresentar o seu projeto político, necessário se faz que analisemos a aplicabilidade das propostas.
É importante que cada um de nós esteja consciente na hora de votar, pois o nosso voto poderá representar alegria ou tristeza, riso ou lágrima. Por isso não se deixe enganar, não se deixe enrolar.
Seja feliz! Vote de acordo com a sua consciência!

A SURPRESA

 

     A tarde de ontem foi bastante agitada em nossa escola, pois aconteceram alguns fatos bastante curiosos e engraçados. O turno vespertino tem nos proporcionado momentos engraçados e alegres. Por ser um turno com menos turmas e poucos professores, nos torna mais próximos e faz com que possamos ser muito mais amigos. A cada dia acontecem histórias diferentes e que passam a ser motivo de gozação e brincadeira entre os amigos. Exatamente na tarde de ontem foi  aniversario de nossa pedagoga e nós resolvemos fazer uma festinha surpresa para mesma. A nossa coordenadora que é uma pessoa competente, mãe dedicada, ocupada e muito prestativa. Talvez por isso sofra de aminésia temporária, pois a mesma por várias vezes esquece uma coisa aqui outra ali, principalmente as chaves. Ela não gosta de ser chamada de esquecida. Ela ficou responsável pela organização da festa e os colegas colaborariam.

A nossa pedagoga chegou neste dia toda arrumada, com um vestido, com um vestido longo de malha e colante, demonstrando que teria outro compromisso após sair da escola. Como é de costume os colegas logo repararam e começaram a tirar um sarro com a cara dela. Por ser gente boa não se importou nem um pouco com as brincadeiras dos colegas. Mas aquela professora bocuda não se conteve e logo soltou uma das suas:

– E ai amiga, é hoje que o bicho vai pegar!

– Você que pensa, o bicho já pegou!

– Pegou aonde?

Nesse instante ela começa rir, pois diante da situação ela começa a rir sem parar e não responde a pergunta da professora. Depois dessa situação ela começa a falar da grande emoção que ela sentiu pela manha na outra escola:

– Hoje pela manha, sai de casa bem cedo para trabalhar, me despedi do meu esposo que me deu os parabéns!

– É mesmo? Pergunta a professora risadinha.

– Como faço todos os dias, peguei o meu carro e fui para outra escola. Tudo ia muito tranquilo até o momento em que vi meu esposo adentrando o portão da escola com um buque de flores. Os alunos ficaram alvoroçados e nos rodearam e cantaram parabéns!

– E depois, o que aconteceu?

– Comecei a chorar e nos abraçamos!

– E o que aconteceu depois? Pergunta a Lora do Português das Arábias.

– O resto fica na imaginação de cada um de vocês!

Após esse momento a coordenadora bate o sinal e todos vão para suas salas, pois os alunos já estavam agitados. Tudo estava acontecendo como previsto, até que ficamos sabendo que a pedagoga iria sair mais sedo, pois teria um compromisso inadiável. Todos que estavam preparando a surpresa ficaram sem saber o que fazer. Foi uma correria só, pois o bolo, os salgadinhos e os refrigerantes não haviam chegado. A partir de então, começa a correria, pois se ela fosse embora antes do horário não teria surpresa nenhuma. A coordenadora começou a traçar algumas estratégias para impedir que ela fosse embora antes da surpresa. A primeira tentativa foi com a secretaria do vespertino que chegou para pedagoga e diz:

– A diretora mandou te entregar esse documento com urgência, pois você precisará fazer uma leitura e depois fazer um relatório para enviar a superintendência com urgência!

– Vai me desculpar, mas não vou ler nenhum documento agora, pois tenho um compromisso inadiável!

– Mas é pra hoje!

– Outro dia eu leio, já falei!

– Tudo bem!

Não conseguindo convencer a pedagoga, a secretaria corre para avisar à coordenadora. No mesmo instante ela por ser uma pessoa muito eficiente pensa em uma estratégia para solucionar o problema. Nesse momento ela pede ao estagiário da sala de informática para fazer outra coisa. Mas ela estava irredutível e não atendeu. Desta forma a coordenadora pensou em outra estratégia. E pediu ao professor de matemática para buscar os salgadinhos e ligou para seu esposo para trazer o bolo que estava em sua casa. Para ajudar ainda mais, outro imprevisto aconteceu. Quando era aproximadamente quatorze horas e quarenta minutos a energia acaba em parte escola, e o sinal não poderia ser batido. Por isso a coordenadora passou de sala em sala avisando o ocorrido e aos professores que o recreio seria mais cedo para fazermos a surpresa para pedagoga. E assim foi feito.

No horário do recreio todos estavam reunidos na sala dos professores a espera da pedagoga que estase preparando para ir embora. Um colega foi buscá-la, e quando ela chegou se disse surpreendida. Todos cantam os parabéns e parabenizam-na pela data. Ela agradece a todos pela homenagem e começa a rir sem parar. Alguém pergunta o porquê da risada. Ela diz:

– Percebi que algo estava acontecendo, pois andaram acontecendo algumas coisas estranhas!

– O que, por exemplo? Pergunta à coordenadora.

– A secretaria veio me trazer um documento para ler a mando da diretora, sendo que já havia lido esse documento. Depois veio o estagiário da informática todo sem jeito. Ai eu disse para mim mesmo. Ai tem!

– Mas você, amiga não tem jeito! Diz a coordenadora.

Os amigos a cumprimentaram e todos os se fartaram delicias que estavam sobre a mesa. Durante o recreio era só alegria. Quando bate o sinal alguns reclamam, pois acharam que o tempo foi curto. Mas todos seguem para suas salas de aula. Após o recreio todos em sala de aula, vejo a coordenadora revirando sua bolsa, olhando para um lado e para o outro e pergunto:

– O que você está procurando?

– A minha chave! Você viu!

– Eu não!

– Mas devia ter visto!

– Por que eu!

– Você esteve na minha sala!

– Eu não sei de nada!

Após esse momento ela sai da sala dos professores a procura de suas chaves. Eu continuo na sala dos professores, pois naquele horário estava em planejamento. Alguns minutos depois ela retorna toda sorridente e diz:

– Amigo! Você não sabe da maior?

– As vezes quanto mais a gente procura alguma coisa, mais difícil é de encontrar. Mas essa coisa está mais próximo do que pensamos!

– Do que você está falando?

– Da minha chave!

– E daí!

– Ela estava dentro da minha bolsa!

– Depois você não gosta que chame de esquecida!

– Não esquecida. Só não me lembro de tudo!

– Tá bom!

Depois desse diálogo, ela foi para coordenação e eu fiquei me preparando para trabalhar no noturno. No final do turno, todos foram embora e se deu inicio o turno noturno. Um professor me procurou para utilizar o data show e eu fui pegar. Mas tive uma grande surpresa quando me aproximei do armário. No primeiro momento fiquei surpreso, pois estava pendurado no cadeado um bonequinho e várias chaves. Falei comigo mesmo:

– De novo, mas não é possível, a cada dia ela se supera!

Quase todos os dias acontecem algo engraçado com ela e com todos nós, pois estamos sujeitos a imprevistos, mas com ela o esquecimento tem acontecido com mais frequência. Até mesmo a chave do armário dentro do próprio armário ela já esqueceu. Isso não é surpresa.

AUTOR:  PROFESSOR SAMUEL

Ano eleitoral, Pense bem.

Estamos diante de um momento muito importante para todos nós brasileiros. Mas ao mesmo tempo de grande preocupação e muita atenção. Este com certeza é mais um ano de surgimento de novos e de reafirmação de antigos atores. É um daqueles momentos, em que somos abordados nas ruas, somos chamados de amigo e para piorar, muitas vezes acreditamos. Vivemos em um país onde o sistema eleitoral proporciona grandes distorções e aberrações, que possibilita a pessoas que estejam sob investigação, pois pela Lei da fixa limpa torna inelegível (não pode ser candidato), por oito anos, políticos condenados em segunda instância, cassados ou que tenham renunciado para evitar a cassação. Ao mesmo tempo dominam a política e a economia do país, dos estados e dos municípios.

      A maioria dos nossos políticos se morasse nos EUA seriam indicados ao OSCAR, com certeza muitos deles sairiam vencedores em diversas categorias. Pois grande parte deles são mestres em mentir, enrolar, enganar, trair e dissimular. E ao mesmo tempo se apresentam como bons samaritanos, solidários, amigos, corretos, sinceros, educados, formidáveis, generosos, honrados, íntegros, qualificados, responsáveis, verdadeiros, etc. Já estou esperando com grande ansiedade no horário nobre do radio e da TV, a estreia de mais uma novela, com data de inicio e fim. O fim com certeza será bom para alguns e péssimo para maioria, pois vivemos em um país, onde somos convidados a participar de uma festa, mas que no final somos nós que temos que pagar a conta. Pois sempre, depois de cada pleito, os vencedores vão tirar férias e descansar depois de participarem de uma exaustiva campanha eleitoral que consumirá grande parte de suas energias. Aos derrotados só lhes restam,  chorar as magoas e procurar os culpados pela derrota. Um dos culpados é o “Quociente eleitoral”.

 

“ Quociente eleitoral e quociente partidário

 O Quociente eleitoral é definido pelo código eleitoral brasileiro como sendo:

     Determina-se o quociente eleitoral dividindo-se o número de votos válidos apurados pelo de lugares a preencher em cada circunscrição eleitoral, desprezada a fração se igual ou inferior a meio, equivalente a um, se superior.  —(Código Eleitoral, art. 106).

Enquanto o quociente partidário é:

     Determina-se para cada partido ou coligação o quociente partidário, dividindo-se pelo quociente eleitoral o número de votos válidos dados sob a mesma legenda ou coligação de legendas, desprezados a fração.  —(Código Eleitoral, art. 107)

 Ou seja, se chamarmos de Qe o quociente eleitoral e de Qp o quociente partidário, temos:

 O número de cadeiras obtidas por cada partido corresponde a parte inteira do quociente partidário. Caso a soma das cadeiras obtidas pelos partidos não seja igual ao total de cadeiras, as cadeiras restantes são divididas de acordo com o sistema de médias, também conhecido como distribuição das sobras.”

Fonte: Wikipédia

     

Vivemos em um sistema democrático, onde podemos escolher os nossos candidatos, e votar em quisermos. Mas o sistema eleitoral é tão complicado, que não nos permite racionar de forma adequada e acabamos votando no menos pior, ou votamos em alguém que nos der alguma coisa. Sobre isso um grande mestre sempre dizia:

“Se algum candidato lhe oferecer algo em troca do seu voto, pegue, mas vote contra ele, pois está querendo lhe comprar o voto. Se ele é capaz de te dar alguma coisa em troca do seu voto irá trocar o seu mandato por qualquer coisa. Basta ver a quantidade de escândalos que estão envolvidos a maioria dos  políticos .Pois o voto é algo muito importante para ser trocado por qualquer coisa.”.

     Quando ele dizia isso, todos nós ríamos e pensávamos em seguir os seus conselhos. Mas se analisarmos as nossas atitudes na atualidade, vemos que muitos de nós, que nos considerávamos conscientizados, também seguimos alguns lideres que atualmente cometem os mesmos erros que condenávamos no passado. Hoje tenho, alguns amigos e conhecidos na política, mas procuro agir de acordo com a minha conscienência na hora de escolher em quem votar, pois penso que o voto é um direito e ao mesmo tempo um dever do cidadão. Se fizermos a opção por qualquer candidato que seja, devemos ter a certeza que foi feita de acordo com a consciência. Jamais devemos aceitar, ser influênciado por quem quer que seja. Temos tempo de sobra pra escolher o melhor candidato, basta prestar atenção no que está acontecendo a nossa volta.

     Sempre procurei seguir o exemplo de minha mãe que jamais  me disse em quem deveria votar e ao mesmo deixou ser influênciada por mim que sempre tive as minhas prefências políticas. Quando chega o dia da eleição vou para seção eleitoral na certeza de que estou fazendo a coisa certa, pois voto de forma consciente, pois voto em quem eu quero. O mesmo penso para os meus filhos, para minha esposa, pois acredito no livre arbítrio.

      Não importa em quem você vai votar. O mais importante é ter a consciência de que está fazendo a coisa certa e não está sendo influenciado por ninguém. Pense bem!

A perfeição está contida é na felicidade


No dia 09 de junho de 2012 ao amanhecer João foi surpreendido por sua esposa com todo jeitinho, mas de forma direta:

– Precisamos dar uma voltinha no centro da cidade.

Quando falou isso, ele deu uma de desentendido e continuou atento no que estava fazendo. Então ela percebeu a sua estratégia e foi mais direta e disse:

– Você escutou, ou está surdo?

– Claro que escutei querida!

– Você sabia que as meninas estão precisando de umas blusinhas e outras peças mais!

– É mesmo?

– Não se faça de desentendido, pois a última compra que nós fizemos foi em Janeiro!

– Parece que foi ontem!

– Por que você está falando isso!

– É porque até hoje estou pagando parcelas daquela compra!

– Oh, se puder bem, se não puder amém!

Em seguida ela começa a falar de forma bem carinhosa e pede com todo jeitinho, que não tem como ele recusar. Diante dos fatos não há escapatória e ele responde bem baixinho:

– Por mim, tudo bem!

Ela percebeu a sua falta de interesse e logo falou:

– Se você não puder, deixa pra outro dia!

– Não é nada disso, claro que vamos. O que você me pede chorando que eu não faço rindo!

– Larga de ser safado!

– Que isso querida? Já vou me arrumar!

Após essa conversa, ela sobe pra tomar café e ele continua no computador verificando os emails e colocando a contabilidadeem dia. Empouco tempo ela retorna e segue em direção ao quarto, para se arrumar. Alguns instantes depois  aparece na copa toda arrumada e pronta para sair. Quando ela o vê, fica desapontada, pois ele estava do mesmo jeito  que acordou. Ao perceber a presença de sua esposa ele se adianta e diz:

– Meu bem já estava acabando de registrar os gastos da semana, para me arrumar!

– Se demorar muito eu desisto, não vou mais!

– Já acabei!

Quando falou isso, já estava levantando da cadeira, sem desligar o computador. Percebendo que a coisa não estava boa para o seu lado, foi em direção do seu quarto para se trocar. Em poucos minutos já estava pronto e saíram de casa. Ao descer a ladeira encontraram alguns conhecidos e foram os cumprimentando. Chegaram ao ponto de ônibus e o mesmo já havia passado. O tempo ia passando e a esposa de João não ia ficando com cara de bons amigos. Logo disse:

– Se essa porcaria de não passar rápido eu desisto!

– Que isso meu bem, fique calma, ele já está vindo!

Ela já estava impaciente, pois não gosta de esperar. O marido tenta acalmá-la, mas a mesma pede para o marido afastar-se dela:

– Sai pra lá, a culpa é sua!

– Mas por quê?

– Se você não tivesse ficado sentado na frente daquele computador o tempo todo, nós não teríamos perdido o ônibus!

– Calma meu bem, não fique nervosa, pois se você não se acalmar a sua pressão vai subir!

– Eu sei o que tem que subir lá em casa e já não sobe há bastante tempo!

– Não sei do que você está falando!

– Claro que não sabe, só sabe dormir e roncar!

Antes que ele fale alguma coisa, ela diz:

– A única coisa que vai subir agora é o ônibus que está vindo!

O ônibus se aproxima e os dois seguem em direção ao centro da cidade para realizarem as compras necessárias. Eles andam de loja em loja a procura das roupas para suas filhas e em nenhum momento falam da data importante que está por vir. Mas a cada momento que passava a esposa de João ficava cada vez mais zangada. João percebeu que ela estava diferente, mas não entendia o motivo de tanto mau humor. Os dois pararam em uma lanchonete antes de seguirem para casa, pois João a convidou para fazerem um lanche. Mesmo assim ela continuava de mau humor. Após terminarem o lanche os dois seguiram para o ponto de ônibus, que os levariam de volta para casa. Depois de algum tempo o ônibus veio, e para variar estava lotado. Ele resmungou baixinho:

– Agora que essa “peste” vai encher o meu saco!

– O que você disse?

– Nada, meu bem! Quem me dera ter um “Porsche” para te livrar de tanto sofrimento!

– Tô sabendo! Quem não te conhece é que te compra!

Após esse momento os dois entraram no ônibus e foram para casa. Aquele final de semana foi terrível para João, pois a sua esposa continuou de cara feia e sem falar direito com ele. Mas foi na televisão que ele teve a resposta, do porque de tanto mau humor. Pois na hora do intervalo do jogo de futebol, teve uma chamada em homenagem ao dia dos namorados que seria no dia 12 de junho. Ele percebeu o quanto foi incessível ao não entender quais foram às verdadeiras intenções de sua esposa. Por isso ela  insistiu tanto para os dois irem à rua exatamente neste sábado. Já que  sabia que ele havia recebido na sexta feira e a maioria das contas estava quitada. Mas com o seu jeito carinhoso e amoroso nem se tocou. Para tentar limpar a barra com sua esposa, pensou em fazer uma surpresa.

Na terça feira ao sair do trabalho parou em uma loja de lingerie e comprou algumas peças. Em seguida parou em uma perfumaria para comprar um perfume. A vendedora mostrou-lhe alguns e ele escolheu aquele  que mais se parecia com ela. A vendedora embrulhou e ele seguiu para casa. Antes de sair da loja ele disse a vendedora:

– Hoje eu mato minha esposa do coração.

– Por quê?

– Ela não está esperando que eu se lembre deste dia, mesmo por que ela nunca recebeu um presente como esse!

– Então ela vai ficar feliz!

– Assim espero!

Após esse diálogo, ele foi pra casa, mas quando chegou não a encontrou. Pegou os presentes e deixou escondido no armário. Ele teve outra ideia. Resolveu ir até a padaria e comprar uns salgadinhos e um vinho gelado. Alguns minutos depois ele retorna e vai direto pra cozinha guardar o bolo e o vinho na geladeira. Só que não deu tempo nem dele respirar, pois ouviu um grito vindo do quarto do casal:

– Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!

Ao ouvir esse grito, João saiu correndo em direção ao quarto para ver o que aconteceu. E logo foi perguntando:

– O que aconteceu querida?

– Quero que você me explique o que significa isso aqui?

Quando chega ao quarto, olha em cima da cama, vê que está tudo espalhado, as calçinhas, os sutiãs, os perfumes e outros presentes que havia comprado pra ela. Ela não permitiu que ele nem abrisse a boca, e foi perguntando:

– O que significa isso aqui?

– Éééééééé!

Antes que ele pudesse se defender ela já foi detonando:

– Seu safado, seu sem vergonha, seu ordinário, seu filho de uma égua!

Ao mesmo tempo em que ela falava ia batendo nele com as sacolas, com as embalagens e com tudo que encontrou pela frente. Não dava a ele nem tempo de articular uma frase. Em um rompante de machão a segurou pelo braço e disse:

– Fique calma e me escute!

Após a reação João ela ficou assustada, pois o marido nunca havia falado com ela daquele jeito. Ele sempre procurou evitar confusão e sempre relevava o jeito da esposa, pois o seu amor por ela e pela família sempre foi muito grande. Mas nesse dia ele precisou mostrar pra ela o quanto estava errada. Ela sempre foi uma pessoa que nunca gostou de ouvir, sempre achava que estava com razão. Após acalma- la, ele diz:

– Nós já estamos casados há bastante tempo, e amor que eu sinto por você e por nossos filhos é maior do que qualquer coisa. E durante esse fim de semana resolvi fazer algo diferente. Não sou uma pessoa muito boa para datas, pois nem mesmo o dia do  meu aniversário costumo lembrar. Desta forma peço-lhe perdão por minha falta de jeito durante todos esses anos. Eu te prometo que daqui pra frente tudo vai ser diferente, pois vou ver a vida de outra forma.

– Você quer dizer que esses presentes eram para mim?

– Claro que sim!

– Que vergonha, eu nunca esperaria isso de você!

– Mas não acaba ai!

– Mais o quê?

– Feche os olhos!

Ela fechou os olhos e João a conduziu até a cozinha, pois havia preparado uma mesa completa para o casal. Quando ela abriu os olhos, ficou ainda mais surpresa com o que ele havia preparado. Ele perguntou:

– E as crianças?

– Ficaram na casa de mamãe.

– Então feliz dia dos namorados para nós dois!

Naquele momento os dois brindaram com vinho  abraçando-se, beijando-se e servindo-se das iguarias que João havia preparado. Para ser feliz não existe momento perfeito, pois a perfeição não é algo que se diga, se pense ou se sonhe.  Na verdade ,ela está contida é na felicidade.

Por: Samuel (Professor de Geografia)

FIQUE LIGADO E SE LOCALIZE!


    Na última semana uma colega de trabalho da área de Ciências Humanas, cometeu um pequeno erro de localização geográfica diante de dois outros colegas de trabalho que não deixaram por menos e espalharam para escola toda.

     Esses colegas tinham concluído mais um longo estafante dia de trabalho, quando se aproximaram do portão de saída e presenciaram uma cena que não deixaram por menos. Estava essa professora, a espera de seu digníssimo esposo, quando foi abordada por um senhor que estava em um automóvel zero km. Esse senhor precisava de uma informação, pois o mesmo estava à procura de uma escola que segundo ele tinha na redondeza. Assim ele perguntou a nobre colega:

– Por gentileza, a senhorita poderia me dar uma informação?

– Primeiramente, obrigado pela senhorita, pois já sou uma senhora!

– Então me desculpe!

– Está desculpado! O que o senhor quer saber?

– Os meus filhos vieram em uma festa na casa dos amigos por aqui e eu vim buscá-los!

– Mas exatamente onde?

– Segundo minha esposa o nome da escola é Polivalente do Coronel Borges.

– Olha meu senhor, eu trabalho nessa escola aqui atrás e não sei onde fica esse tal Polivalente!

– Mas me garantiram que era nessa rua aqui!

– Pode ter certeza que não é por aqui!

– Mas então, onde fica essa escola?

– Olha moço, não faço a mínima ideia!

Quando a professora olha para o lado, percebe que aquela que tem nome de bruxa e o que tem nome de ex-jogador de futebol capixaba que jogou no Vasco da Gama estava morrendo de rir. Logo a professora percebe e pergunta:

– O que vocês estão rindo ai?

Os dois não conseguem parar de rir, diante da situação. Aquela que tem nome de bruxa se aproxima do senhor e da a informação que o homem queria:

– Olha meu senhor, a escola é essa mesmo e o local da festa é mais adiante!

– Mas ela me disse que não era por aqui!

– É porque ela é nova na escola e não sabia desse outro nome!

O senhor segue o seu caminho e os três ficam conversando sobre o que aconteceu. Aquela que tem nome de bruxa começa a rir da cara da professora, e pergunta:

– Quer dizer que você não sabe onde fica o Polivalente?

– Eu não sabia que essa escola tinha esse nome!

– Os dois  caem na gargalhada novamente!

Percebendo que a professora estava constrangida com a situação, aquela que tem nome de bruxa diz:

– O nome dessa escola é EEEFM “Professor Francisco Coelho Ávila Júnior” popularmente conhecida como Polivalente do Coronel Borges!

– Não diga?

– É mesmo? E eu não sabia!

– Então fique sabendo!

Depois disso os três caíram na gargalhada e a professora também levou na esportiva. Segundo a professora ao contar para o seu marido, tornou-se motivo de gozação, pois o mesmo passou a gozar de sua cara por vários dias. No outro dia quando ela estava saindo para trabalhar, ele perguntou:

– Hoje você vai trabalhar em que escola?

– Vou para o Ávila Júnior!

– Pensei que você iria para o Polivalente do Coronel Borges!

– Quer saber? Vai…passear!

Isso serve de alerta pra todos nós. Fique ligado, localize-se!

Por: Samuel(Professor de Geografia)

Português das Arábias

 

     Uma professora de inglês, muito sonhadora, mas conectada  com o mundo,em uma de suas viagens pela internet conhece o seu príncipe encantado. Ao conhecê-lo fica ainda mais abobada, pois desde então não fala em outra coisa. Segundo ela havia encontrado o seu príncipe encantado, pois o mesmo era lindo e morava nas Arábias. Desde então ninguém aguentava mais, pois a professora passava o seu tempo livre contando sobre os papos com seu príncipe. Todo mundo sempre perguntava, mas ela às vezes desconversava.

     Cada hora ela aparecia com uma estória diferente. Em um determinado dia ela chegou à sala dos professores e deu grito:

– Ele vai chegar!

      A professora bocuda pergunta:

– Quem vai chegar amiga?

     Ela dá um suspiro e diz:

– O meu príncipe!

-Mas que príncipe é esse?

– O meu Príncipe Português das Arábias!

– Que negócio é esse de príncipe?

– É o Lindo!

– Mas que Lindo?

-Você não lembra que te contei sobre ele?

– É mesmo. Me conta amiga todos os detalhes, não me esconda nada!

– Ele contou pra mim que chegará daqui a 15 dias!

– E daí!

– É que ele trabalha, comprando e vendendo mármore e granito e eu também vendo minhas pedrinhas! Mas que pedrinha que você vende?

– Não é nada disso que você está pensando. Tenho os meus contatos e faço a intermediação na venda de mármore e granito!

– Já estava preocupada!

     Pelo jeito aquela conversa ia ser longa, pois quando as duas se encontram para conversar não falam coisa com coisa e tem assunto pra mais de horas. E no final pouca coisa se aproveita.

     Os dias se passaram e a professora cada vez mais estressada, pois estava insegura em relação ao grande dia. Em alguns momentos ela demonstrava tanta ansiedade que passava a ter comportamentos estranhos sem nenhuma explicação. Em um desses dias entrou na sala dos professores chorando copiosamente, sem nenhuma explicação. Todos que estavam na sala ficaram sem entender o que estava acontecendo, pois dez minutos antes ela havia saído dali toda sorridente e brincando.

     No mesmo instante a professora bocuda, que é uma de suas grandes amigas, se aproxima e pergunta:

– O que está acontecendo amiga?

– Não é nada!

-Como não é nada, você já está chorando a mais de 20 minutos!

     Quanto mais a colega tenta consolá-la, mais ela chora. E a colega com seu jeito carinhoso diz:

– Vá ao banheiro, lave o rosto e depois volte aqui para conversarmos.

– Será que lá tem papel higiênico?

– Pode ser que sim, mas por via das dúvidas, vê se aquele professor que é coordenador a noite tem no seu armário!

     Seguindo conselho a amiga procura o atencioso professor:

– Colega, você tem papel higiênico em seu armário!

– Tenho sim!

– Então me arranje um rolo!

– Só tem uma coisa, o papel não é de primeira, o nome dele é carinho, mas quando ele passa limpando da uma sensação que está lixando!

     Nesse instante ela esboça um pequeno sorriso e vai em direção ao banheiro. Após alguns minutos  retorna como se nada tivesse acontecido. A amiga se aproxima e lhe pergunta:

– E aí amiga passou?

– Passou o quê?

– Você estava chorando copiosamente, não queria nem conversar comigo, que sou sua melhor amiga. Agora vem me dizer que não é nada.  Não entendo mais nada. Tinha que ser Lora!

     Após esse diálogo a professora bocuda sai de perto da Lora muito indignada. Em seguida ela sai às pressas, pois ficou nervosa e com vontade de esganar a amiga. Devido à situação, seu estômago deu um revertério e começou a doer. Ela sai às pressas e procura do banheiro para aliviar a barriga. Caso demorasse mais um pouco, com certeza, iria sujar as calças. Após alguns minutos bate o sinal e todos vão embora.

     Passaram-se vários dias, até que o Português das Arábias volta a ser assunto na sala dos professores. A professora apaixonada volta novamente a falar no seu príncipe. Num primeiro momento os colegas não dão muita atenção. Então ela fala pra todos ouvirem:

– Ele vai chegar!

     Ela fica um pouco decepcionada, pois ninguém da muita atenção para o que ela diz. Então se dirige a professora bocuda dizendo:

– Amiga ele vai chegar!

– E eu com isso!

– Que isso amiga, sempre achei que você era minha melhor amiga!

– Eu te pergunto. Você é minha melhor amiga?

– Claro que sim!

     Como ela não consegue ficar longe dos babados, voltou às boas com a Lora de inglês, e perguntou:

– Então menina, me conta todos os detalhes da chegada do seu príncipe!

– Ele chegará à semana que vem, e desembarcará no Aeroporto de Vitória, se hospedará em um hotel próximo ao aeroporto e no outro dia virá para Cachoeiro!

– Vai levá-lo pra sua casa!

– Claro que não!

– Se eu fizer isso ele vai achar que sou muito fácil!

– É claro, faz jogo duro, só depois você abre o jogo!

– Amiga a gente tem que ver qual é a dele. Mas de minha parte é coisa séria, pois estou bastante esperançosa de que encontrei o amor de minha vida!

– Amiga ,vai devagar pois quem tem pressa, acaba comendo gato por lebre!

– Por que você ta falando isso?

– Já vi muitas estórias como a sua terminar muito mal!

– Pode deixar que vou tomar todos os cuidados!

– Vai devagar!

– Pode deixar “pois gato escaldado tem medo de água fria” como já dizia velho ditado!

– Qualquer coisa me liga!

– Ta legal, um beijo!

     Após essa conversa as duas se despedem e cada uma foi para um lado diferente. Elas ficam sem se falar por alguns dias, pois neste intervalo ocorreu um feriado prolongado. Os dias que tiveram aulas na escola ficaram sem se falarem, pois cada uma teve um compromisso diferente.

     Quinze dias depois após a última conversa, as duas voltaram a se encontrar e colocaram o papo em dia. A professora bocuda logo foi perguntando:

– E ai amiga como foi o encontro com o Português das Arábias?

– Menina nem te conto!

– Mas o que aconteceu amiga? Pela sua cara, não foi do jeito que você planejou?

– Mais ou menos!

– Me conta tudo, não me esconda nada!

– Olha amiga. Até que ele não é de se jogar fora, mas…

– Mas o quê?

– Ele é simpático, tem um bom papo, mas quando abre a boca sai da frente!

– Por quê?Ele fala muita abobrinha?

– Não é nada disso!

– Então o que é, já estou curiosa?

– Olha amiga, vou te contar, mas se você conta pra alguém, eu deixo de ser sua amiga!

– Pode contar. A minha boca é um tumulo!

     Só que ela se esqueceu de falar que sua boca é um túmulo. Mas um túmulo violado. Mesmo receosa, ela conta para amiga  o que lhe deixou bastante incomodada no português:

– Ele tem um bafo que, que parecia que nunca havia escovado os dentes!

– E daí o que você fez?

– O que eu podia fazer naquele momento, tinha acabado de encontrar o cara pessoalmente. Não pude fazer nada, além de prender a respiração!

– Quer dizer que você, sonhou com um príncipe e ia beijar um sapo um sapo na boca. Ou seja, um sapo Português!

– Naquele dia conversamos um pouco e marcamos para jantar e nos conhecermos melhor!

– E depois o que aconteceu?

– Pula essa parte!

– Espera ai, você vai me dizer que não aconteceu nada!

– Nada que você precise saber!

– Então, é assim que você diz que sou sua amiga!

– Não é nada disso. É por que não aconteceu nada demais!

     Durante algum tempo ficou um certo clima entre as duas, mas que logo foi quebrado pela Lora que começou a falar sobre o outro dia em que dois se encontraram. A Lora falou para professora bocuda.

– Amiga chega aqui, pois vou te falar o que aconteceu no outro dia!

– Por que devo te escutar, pois você só conta as coisas pela metade!

– Mas não aconteceu nada de mais naquela noite!

– Tá bom então me conta o que aconteceu depois!

– No outro dia viemos para Cachoeiro e ele ficou hospedado em um dos melhores hotéis da cidade!

– O que ele veio fazer em Cachoeiro?

– Ele trabalha no ramo de mármore e granito, e com minha ajuda irá fechar alguns negócios!

– De boba você só tem a cara!

– Claro meu bem, vou juntar o útil ao agradável!

– Mas você, hem!

– Me diz uma coisa, e o mau hálito do cara?

– Com tempo, com mais intimidade eu dei o meu jeito!

– Que jeito você deu?

– Não deixei por menos, de uma forma carinhosa falei pra ele escovar os dentes todos os dias. Pois esse é um dos critérios que empresário do ramo de mármore e granito observam bastante na hora fechar os negócios. Desde então não percebi mais o seu mau hálito. Ele me confidenciou que passou a escovar os dentes pelo menos 4 vezes ao dia!

     A Lora fala de um fato bastante curioso e engraçado que aconteceu com ela e seu Português:

– Esse fato foi em um jantar que marcaram para um restaurante luxuoso no centro da cidade, foi um jantar a luz de velas. O clima estava bastante romântico, as palavras eram poucas, mas olhares já diziam no que ia dar aquele jantar. Ao jantarem, bateram um papo, saíram do restaurante e o clima esquentou. Em um momento mais ousado o Português disse com a voz bem amorosa:

– Tu és muito mais do que posso merecer, minha Gaja. Vou terminar com você!

Ela nervosa respondeu:

– Mas como? Então você está me enganando esse tempo todo, me usando, abusando da minha ingenuidade. Só por que sou moradora de uma cidade do interior de um pequeno Estado de um país que já foi colônia do seu país?! Pois fique sabendo que não sou boba, não sou como as mulheres da vida que você está acostumado a pegar pelo mundo a fora.

No mesmo instante caiu no choro e virou as costas pra ele, que ficou sem entender nada. Ele tenta falar, mas ela não quis nem saber de ouvi-lo. Com o passar do tempo, se acalmou e parou de chorar. Ele explicou o que pretendia ao dizer: “Vou terminar com você!” É utilizado quando homem pretende deixar a mulher totalmente saciada e feliz.  Ao explicar o sentido da frase ficou muito envergonhada e pediu mil desculpas. Continuaram se  entendendo as mil maravilhas. Vida que segue!

– Você me conta todos esses babados e não me conta o final. Por quê?

– Isso fica por sua conta imaginar. É só imaginar. É como a vida e a morte, estão em suas mãos!

A Lora continua dando suas aulas, a outra continua matraqueando e o português voltou para as Arábias. Tudo continua como antes só a Lora continua sonhando com o  PORTUGUÊS DAS ARÁBIAS.

Por: Samuel ( Professor de Geografia)